9 de fevereiro de 2012

para onde quer que vá, tenho-te comigo

Sim, eu sei. Tu e eu já não somos um. Já não temos as inicias um do outro marcadas nos nossos corações. Já removemos o cadeado com o nosso amor. Mas houve um problema. Em vez do nosso sentimento mútuo  desaparecer ele impôs-se e decidiu permanecer. Não em nós, mas em mim. Ele não me quis deixar. Encontrou o seu porto seguro, o seu lar. E agora terei que o levar para onde quer que vá.  É um pequeno tesouro que trago comigo todos os dias que jamais voltará a ser aberto e apenas eu sei qual é o seu conteúdo. És tu e as nossas memórias. 

2 comentários: